quinta-feira, 26 de novembro de 2015

DicionáriArquitetado


DicionáriArquitetado
Rubens Jardim(*)



Salvador Dali - Anthropomorphic Chest of Drawers, 1936, oil on wood, 25 x 43 cm, K20, Düsseldorf



PAIXÃO
Palavrarquitetada: limiar

No limiar é promessa
No limite é ruptura
Tudo dentro do escuro.

IMPOTÊNCIA
Palavrarquitetada: impotência

Este poema não diz nada
Da mesma forma
Que a história não diz tudo.
Língua cortada
Este poema não fala:
-falha.
E insiste:
-dedo em riste.


CARNE
Palavrarquitetada: carne

Quem sou eu
Na carnação do ato:
Fausto sem Goethe
Holograma
Ou fogo-fátuo?

LABIRINTO
Palavrarquitetada: labirinto

Anarda era uma viagem
Dentro do tinteiro. Cor e acorde
Anarda era uma âncora
Dentro do tinteiro. Antes marco
E agora traço, Anarda é signo,
Insígnia, dentro do tinteiro.
Não diante do papel ou adiante
Da vida, mas antes e depois
(dentro)
Pois apesar das penas e seus galos
Mortos, Anarda é ave, vôo
Dentro do tinteiro.




Rubens Jardim é jornalista e poeta. Publicou poemas nas antologias: 4 NOVOS POETAS NA POESIA NOVA(1965,SP), ANTOLOGIA DA CATEQUESE POÉTICA(1968,SP), POESIA DEL BRASILE D'OGGI(1969,ITÁLIA), VÍCIO DA PALAVRA(1977,SP),FUI EU(1998,SP), POESIA PARA TODOS(2000,RJ), ANTOLOGIA POÉTICA DA GERAÇÃO 60(2000,SP), LETRAS DE BABEL(2001,URUGUAI), PAIXÃO POR SÃO PAULO(2004,SP),RAYO DE ESPERANZA(2004,ESPANHA),CONGRESSO BRASILEIRO DE POESIA (2008,RS). É autor de três livros de poemas: ULTIMATUM (1966), ESPELHO RISCADO (1978) e CANTARES DA PAIXÃO (2008). Promoveu e organizou o ANO JORGE DE LIMA em 1973, em comemoração aos 80 anos do nascimento do poeta, evento que contou com o apoio de Carlos Drummond de Andrade, Menotti del Pichia, Cassiano Ricardo, Raduan Nassar e outras figuras importantes da literatura do Brasil. Organizou e publicou JORGE, 8O ANOS - uma espécie de iniciação à parte menos conhecida e divulgada da obra do poeta alagoano. Integrou o movimento CATEQUESE POÉTICA, iniciado por Lindolf Bell em 1964, cujo lema era: o lugar do poeta é onde possa inquietar. O lugar do poema são todos os lugares.. Participou da I Bienal Internacional de Poesia de Brasília (2008) com poemas visuais no Museu Nacional e na Biblioteca Nacional. Fez também leituras no café Balaio, Rayuela Bistrô e Barca Brasília. E participou da Mini Feira do Livro, com o lançamento de Carta ao Homem do Sertão, livro-homenagem ao centenário de Guimarães Rosa.

6 comentários:

  1. Boas poesias. Parabéns. Afrânio Garcia

    ResponderExcluir
  2. Arnaldo Jardim é um dos GRANDES poetas vivos, que transita, com indubitável competência e elegância, à margem do cânone. Portanto, vamos aproveitá-lo enquanto está por aqui VIVÍSSIMO.

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito da poesia. Como fazer para convidar o Rubem para nosso evento em Junho no Rio?

    ResponderExcluir
  4. Grande Rubens Jardim... que coisa boa, gostosa....

    ResponderExcluir
  5. Thaís Nicoleti de Camargo27 de novembro de 2015 02:25

    Muito bom texto!

    ResponderExcluir