domingo, 16 de fevereiro de 2014

Praia do Futuro

Praia do Futuro. Direção: Karim Aïnouz. Na foto: Jesuíta Barbosa. Berlinale 2014, Mostra Competitiva. © Alexandre Erme
Praia do Futuro

Novo filme de Karim Aïnouz tem Fortaleza e Berlim como cenário e gira em torno do universo masculino a partir de três personagens – Donato, Konrad e Ayrton.


Praia do Futuro, quinto longa do diretor brasileiro Karim Aïnouz (Abismo Prateado, O Céu de Suely, Viajo porque preciso, volto porque te amo, Madame Satã), chegou às telas da Berlinale trazendo uma história de recomeços. O filme, além de prólogo e epílogo, é dividido em três partes, que remetem a três momentos de vida dos personagens. O início se dá na Praia do Futuro, em Fortaleza, onde Donato trabalha como salva-vidas, e termina na Alemanha, na estrada rumo a Berlim.
O filme começa com dois alemães que estão se afogando na praia, mas apenas um deles, Konrad (Clemens Schick), consegue ser salvo. Enquanto os bombeiros buscam pelo corpo do alemão desaparecido, Donato (Wagner Moura) e Konrad se envolvem afetivamente. Depois de passarem férias em Berlim, Donato decide ficar e se reinventar na cidade. Dez anos mais tarde, Ayrton (Jesuita Barbosa), viaja para Berlim em busca do irmão.

Toda a história é permeada pela dualidade entre coragem e medo, mas movida especialmente pelo amor: é o amor romântico entre Donato e Konrad que leva Donato a Berlim e é o amor fraternal que leva Ayrton à mesma cidade. O amor é o que move as personagens e as leva a outros lugares – sejam estes literais ou metafóricos. Em vários momentos, esse amor é encenado de maneira intimista, doce e sobretudo intensa.

Brasil x Alemanha

A fotografia do filme marca bem a diferença entre o Brasil e a Alemanha: cores fortes e uma luz amarela tropical na Praia do Futuro, em contraponto a tons mais brancos e imagens lavadas no inverno berlinense. O mesmo acontece com a narrativa: ao mesmo tempo em que expõe Donato ao frio pálido e o deixa sem mar, Berlim é a cidade que oferece a ele uma outra possibilidade de ver e viver sua identidade. Após a reconstrução da vida em Berlim e o reencontro com Ayrton, Donato já não vai mais precisar estar embaixo d’água, salvado vidas alheias, para salvar a sua própria vida e se sentir livre.

Em tempos de ondas homofóbicas declaradas (vide as recentes polêmicas na Rússia), uma premiação para o filme poderia simbolizar o papel político tradicionalmente exercido pelo Festival de Berlim, já que Praia do Futuro prima por trazer às telas o amor e a sexualidade entre dois homens de maneira natural e não estereotipada.

Camila Gonzatto é diretora e roteirista de cinema e TV. Tem mestrado em Escrita Criativa pela PUCRS (Porto Alegre) e cursa doutorado na mesma área em programa de intercâmbio com a Universidade Livre de Berlim.  Camila Gonzatto escreve para Goethe.de/Brasilien sobre o Festival Internacional de Cinema de Berlim.

Consultem o site do Goethe Institut no link : http://www.goethe.de/ins/br/lp/kul/dub/flm/bln/ptindex.htm

Copyright: Goethe-Institut Brasil

Fevereiro de 2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário