sábado, 24 de agosto de 2013

Fusing Culture

Projeto FAHR 021.3
Fusing Culture


Mickael Cordeiro de Oliveira

Entre 1 e 4 de agosto teve lugar na Figueira da Foz a primeira edição de um dos festivais mais inovadores jamais criados em Portugal : o Fusing Culture Experience. Música, gastronomia, arte urbana, e desporto foram as quatro áreas que a jovem associação figueirense DoisTrêsTrês propôs ao público.

« O projeto surgiu realmente porque sentimos a necessidade de criar eventos deste tipo, não só na Figueira da Foz, mas também na zona Centro. Diz-se muitas vezes que ‘a cultura não é descentralizada’… achámos que a Figueira da Foz tinha esse potencial inexplorado. Creio que estavam reunidas todas as condições para a realização de um evento desta natureza », revelou Carlos Martins, um dos membros da organização, ao blogue BandCom.

Eime
Durante esses quatro dias, mais de 35 bandas portuguesas, entre as quais algumas das mais talentosas do país, atuaram nos dois palcos do recinto figueirense e no Casino. Se a música portuguesa foi celebrada como nunca, grande parte das bandas foram escolhidas por incluirem nas suas músicas influências de vários géneros musicais, e até de outros países. Essa fusão sempre procurada pela organização teve como ponto alto a atuação de António Zambujo e de Samuel Úria com o rancho de cantadores da aldeia nova de São Bento, proposta levada a cabo pela curadora do Casino A Música Portuguesa A Gostar Dela Própria.

Outra das ideias deste festival foi também a de impulsionar a interação entre os diferentes públicos, os encontros entre o recinto e o Casino, mas também entre a Figueira e as suas gentes. Em vários pontos da cidade, artistas de arte urbana deixaram as suas marcas, direcionados e dirigidos por Lara Seixo Rodrigues, uma das responsáveis do WOOL, festival de arte urbana da Covilhã.

PAUS

Na área do desporto, o objetivo foi o seguinte : « Quisemos pegar em coisas da cidade e potencializá-las. Como no desporto - com o surf, e tendo uma pista de snowboard em Agosto numa cidade », disse Carlos Martins, na entrevista ao BandCom. Um dos pontos mais altos deste festival acabou mesmo por ser o « maior workshop de cozinha do mundo », dirigido por Chakall, um chef argentino, que deu uma aula a mais de 500 pessoas. Graças a este record, o Fusing Culture Experience conseguiu entrar para o Guiness. Espera-se que este festival tenha sido o primeiro de muitos e que para o próximo ano o público volte a aderir !

Chakall Cozinha

(*) Mickaël C. de Oliveira nasceu em 1989 nos subúrbios parisienses. Mestre em Estudos Portugueses e Lusófonos pela Universidade Paris Sorbonne Paris-IV, sempre teve como objetivo a divulgação de artistas portugueses emergentes ou simplesmente não conhecidos. Mickaël C. de  Oliveira é escritor e colabora para o Blog Estudos Lusófonos. Leia suas outras reportagens e crônicas na rubrica Culturas Urbanas. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário