sexta-feira, 20 de julho de 2012

Um dedo de prosa com Alberto Bresciani


Um dedo de prosa com Alberto Bresciani

Assistam ao depoimento do poeta Alberto Bresciani para o blog Estudos Lusófonos.

Num primeiro vídeo, Alberto Bresciani fala de sua antologia de poemas Incompleto movimento lançada em 2011 pela Editora José Olympio. Nesta Antologia, o poeta compartilha, através de uma escrita sóbria e minimalista, suas inquietações acerca da incompletude humana. Para assitir ao depoimento, clique aqui

Num segundo momento, Alberto Bresciani evoca sua trajetória de leitor e escritor apaixonado pela literatura brasileira e portuguesa. O poeta comenta, também, de que maneira seu texto busca atingir o  “movimento das palavras”. Veja o video neste link

Neste último vídeo, Alberto Bresciani homenageia a poetisa Angélica Torres Lima, sua escrita elíptica e seu incoformismo feminino. Clique aqui para ver o video.

Mitologia
O muro não me libertará
(sei porque sou tempo)

Conhecendo também
suas entranhas, armadilhas
saliências e entraves

eu o escalo
até o alto
onde ameias são faces tantas
e arranham ou assaltam
a vida

Lá, debruço-me
pendo, estico-me
jogo as mãos
a pele

e mesmo que não encontre
matéria de igual trama
ainda tenho

céu, vento, ar
ou desejo e dúvida e ilusão

Este (é um murmúrio)
o meu plano de voo
ramo de salvação

Sim, no relume das horas
arranco uma ou outra
de suas plumas e
do cimo
sinto

o doce estrépito
de um corpo
que arde e responde 
                sob o meu.

Nicolas de Staël, Nu couché bleu (1955)

Harmonização



sobre o meu ombro



e me nasceriam asas

Em silêncio
logo o pressentimento
o pacto e  voo:

grades e escarpas
ruindo sob as pernas
cúmplices, entrelaçadas
                     as nossas.



Christian Boltanski,Personnes, 2010
Minicontos


Tática
Era imperceptível. Estendia cada aperto de mão por um segundo a mais; cada abraço, por dois. Bem contabilizados, subtraía os excessos ao relógio da solidão.

Sísifo I
Manhã. Miram-lhe os sapatos pretos de amarrar. Breve, devorarão seus pés e, sobre eles, seu corpo inteiro. Não precisam de pegadas ou roteiros. Já sabem para onde o levam — com esse peso invisível, maior do que pedras; peso que dispensa subir ou descer montanhas.

Sísifo II
Os sapatos cansados, solas já amaciadas pelo tempo. Sem perceber, pisou na tampinha de cerveja, que aderiu a um dos pés. Depois, no outro, uma tacha. À sua revelia, os passos faziam percussão. O ritmo crescente, presto, convencendo. Lembrou-se: Fred Astaire, Carlinhos de Jesus… Derrubou batente, janela. Abriu larga porta e o sol acendeu toda a casa.

A indústria da sorte
Percebeu que não poderia mudar a vida. Seria doloroso; o tempo não o favorecia. A borra do café — como a leitoras místicas — revelava que deuses não reconhecem destinos, nem as tatuagens que sabia trazer nos rins. Sua história escrita em textos de alheia autoria. Eram falsos os prêmios e os adornos. Pensou em peregrinar a qualquer monte sagrado. Olhou o relógio. Já eram quase seis. Logo, o trânsito seria impossível.


Alberto Bresciani nasceu no Rio de Janeiro, em 1961. Desde 1988, vive em Brasília, e,  em 2011, publicou Incompleto Movimento, pela Editora José Olympio. Ele escreve para o blog Nóstres: http://nostres-amv.blogspot.com.br/


Man Ray, Vénus Restaurée, 1936
Poema de Angélica Torres Lima

Em extinção
Saio pela porta do alpendre
com um romance nas mãos.

Atravesso a rua.
Há uma blusa um batom
um perfume colados em mim

embora a engenharia genética
a violência doméstica
as ogivas

a bala
certeira
e a perdida

anunciem para breve
o meu fim.

Versos ao espelho

Tu me fazes pentear
os versos
ante o espelho

que te enlaça, anelo
ainda mais belo,
ao meu desejo de ter-te

lua sim, lua não
nos desvãos
dos meus cabelos
entre teus dedos das mãos.

Miragem... sonho vão....
Ilusão....
Bobagens, amor,
eu sei.


Metálica
Temperar o corpo, a alma,
a aura, a armadura
que o que se traz são dores
de guerras em dia
cada dia mais breve.

De resto, no peito,
a inflamação dos punhais,
os arrepios, a tenda
dos encontros errantes, os mares
de tesouros naufragados,

e ninguém chora
a tarde suicida!

 Mulheres
Neste início de tarde
fim de manhã do verão

o sol me divide
nas várias mulheres

que me antecederam
e nas que virão

grávidas de luas
na fase obscura

com um abismo
no peito

Ao navegante
Deveste o coração
das plumas e dos pesos
da existência

Deste portal em diante
só existem paisagens:
os riscos esboçados
dos pórticos do olhar

Neles não cabe ciência,
sequer filosofia,
mas o simples gozo
de vagar

Tomara que caia
um haicai
na tua saia.

Angélica Torres Lima nasceu em Ipameri (GO), em 1952. Cursou Arquitetura e Urbanismo na Universidade de Brasília (UnB) e Direção e Cenografia em Artes Cênicas, na Fefieg (atual Unirio). Formou-se em Comunicação pela UnB e especializou-se em edição de livros e periódicos pela Universidade de Wisconsin (EUA). Trabalhou em diversos jornais, geralmente em editorias de cultura. Publicou Sindicato de Estudantes (1986), pelo qual recebeu o Prêmio Mário Quintana de Poesia, do Sindicato dos Escritores de Brasília, e Solares (poesias, 1988), com o grupo Bric a Brac. É autora do texto de Koikwa, Um Buraco no Céu (Editora UnB, 1999). Autora dos livros de poesia Paleolírica (Brasília: Alô Comunicação, 1999) e O Poema quer ser Útil (Editora LGE,2006). Em 2010 lançou a antologia Luzidianas pela Athalaia Gráfica e Editora de Brasília. 


Alguns links

SOBRE A POESIA
Portal Antonio Miranda:
Portal Alguma poesia – Poesia.net:
Cidade devolvida:

POEMAS
Revista Macondo nº 4
A dispersa palavra:
Revista TUDA:
Stéphanos (Στέφανος):
Ronaldo Costa Fernandes:
Naiana Carapeba:
Janela de poemas:
Vendaval das letras:
Invenção da poesia:
Um pouco de poesia:
Singrando horizontes:

CONTOS E MINICONTOS
Jornal Rascunho:
Portal Musa Rara:
Portal Cronópios:
Poetas de Marte:

ENTREVISTAS
Rádio Joven Pan:
Programa Autores e livros:
Programa Leituras:
Portal do TRT da 3ª Região:
 
RESENHAS E MATÉRIAS
Revista Macondo n° 5:
Jornal Diário da Manhã:
Revista CHICOS nº 34:
Jornal Correio Braziliense:
Jornal O Tempo:
Jornal Estado de Minas:

Sobre Angélica Torres Lima
















Nenhum comentário:

Postar um comentário